Desportivo Aves vence Penafiel e segue na vice-liderança da Segundona portuguesa

O Desportivo das Aves venceu hoje no terreno do Penafiel, derrotado pelo terceiro jogo consecutivo no campeonato, por 3-1, e continua firme no segundo lugar, em zona de subida, após a 19.ª jornada da II Liga de futebol.

Tiago Valente inaugurou o marcador aos nove minutos, Fábio Fortes empatou para o Penafiel no minuto seguinte, mas Alexandre Guedes, por duas vezes, aos 42 e 68, recolocou o Desportivo das Aves em vantagem e fixou o resultado.

O triunfo espelha a superioridade no jogo do Aves, no segundo lugar do campeonato, agora com 42 pontos, a quatro do líder Portimonense, ambos em zona de subida, com oito de vantagem sobre o terceiro, Santa Clara, vencedor em Olhão (2-1), e prolongou a crise do Penafiel, sétimo, com 28 pontos, sem ganhar há quase um mês (venceu fora o Sporting B, por 2-1, a 27 de novembro).

O jogo foi equilibrado na posse de bola e até nas oportunidades de golo criadas, mas com ligeiro ascendente do Aves, melhor como equipa e mais forte nas trocas de bola e nas transições, conseguindo protagonizar os melhores lances face a um Penafiel que, sem os mesmos argumentos, lutou sempre, mas cometeu demasiados erros defensivos.

Os locais protagonizaram o primeiro lance de perigo, aos quatro minutos, mas o ‘veterano' Quim negou junto ao poste o golo a Wellington, num ritmo de parada e resposta que prosseguiu até ao tento inaugural.

Tiago Valente cabeceou sem oposição na área do Penafiel e bateu Ivo Gonçalves, após livre da esquerda, mas os festejos dos muitos adeptos do Aves que hoje marcaram presença no estádio duraram um minuto, até ao golo do empate, anotado por Wellington, igualmente de cabeça e após livre.

O jogo continuava emotivo, mesmo que nem sempre bem jogado, as duas equipas apostavam no ataque e podiam ter marcado: Zé Tiago, aos 13, aproveitou uma desatenção defensiva do Penafiel para ameaçar o golo, respondendo o Penafiel aos 26 por Wellington, mas o avançado precipitou-se na hora do remate.

Antes do intervalo, Alexandre Guedes recolocou o Aves em vantagem, com um remate de costas para a baliza na área, um golo de belo efeito a aproveitar as facilidades da defesa dos locais, que permitiram a receção e domínio da bola ao dianteiro do Aves.

A segunda parte foi mais estratégica, sobretudo por parte do Aves, que procurou gerir a vantagem longe da sua baliza, procurando responder em transições ao avanço natural no terreno do Penafiel.

Sem grande discernimento no ataque e abrindo espaços atrás, os locais voltariam a ser batidos, novamente por Alexandre Guedes, mais alto que Pedro Ribeiro a cabecear para o fundo da baliza de Ivo Gonçalves, que voltaria a negar o quarto tento a Zé Tiago, aos 70 minutos, num dos derradeiros lances perigosos do jogo.

Comentários

Postagens mais visitadas